Moradores de rua não apresentam sintomas para Covid-19 e intrigam profissionais da saúde em BH - BLOG DO ILDER COSTA

sexta-feira, 5 de junho de 2020

Moradores de rua não apresentam sintomas para Covid-19 e intrigam profissionais da saúde em BH


Consultório de Rua atende pessoas que vivem nas vias públicas (Amanda Dias/BHAZ)

O novo coronavírus avança pela capital, assim como por outras partes do Brasil, e já infectou mais de duas mil pessoas apenas em BH. No entanto, um “fenômeno” tem surpreendido profissionais de saúde que atendem pessoas que vivem em situação de rua na cidade. Eles relatam desconhecer casos de homens e mulheres nestas condições com sintomas de Covid-19.

Ao certo, não há uma explicação científica para a falta de registros de pessoas em situação de rua infectadas, ou mesmo com sinais da doença. Nem mesmo a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) tem números referentes a tal população diante da pandemia. “A invisibilidade chega até nisso”, alerta a irmã Maria Cristina Bove, da Pastoral do Povo de Rua.

O BHAZ andou por Belo Horizonte e conversou com profissionais do Consultório de Rua, projeto da PBH em que os agentes abordam, diariamente, pessoas que não tem onde morar para realizar atendimentos.

“Estamos encontrando muitos moradores sem os sintomas para o novo coronavírus. É um fenômeno que a gente tenta entender, pois por viverem nas ruas, eles estão mais expostos. Logo, pensamos que estariam mais infectados”, diz a pessoa prefere não ter o nome revelado.

O Consultório de Rua integra os serviços de atendimento a população em situação de rua e outras vulnerabilidades sociais feito pela PBH. Caso a pessoa apresente sintomas para o novo coronavírus, ela é levada para a UBS (Unidade Básica de Saúde) ou à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) mais próxima.

Os atendimentos começaram na primeira semana de abril e, até a última segunda-feira (1º), 102 pessoas foram acolhidas no Sesc Venda Nova. Pessoas em situação de rua, que necessitam do isolamento social domiciliar, são encaminhados para o local, que recebeu adaptações para abrigá-las.

Faltam dados

Apesar da PBH divulgar o número de pessoas acolhidas para o isolamento, o Executivo municipal não divulgou o número de pessoas em situação de rua infectados pelo novo coronavírus. A alegação é de que não há recorte no levantamento com a distinção de tais pessoas.

“As confirmações de casos de coronavírus são feitas por meio dos Boletins Epidemiológicos da Secretaria Municipal de Saúde. Não há um recorte específico sobre pessoas em situação de rua nesse sentido”, informou.

Teorias

Para buscar entender o “fenômeno”, o BHAZ conversou com o infectologista Leandro Curi. O especialista diz que traçar uma análise sem dados fidedignos é complicado e, por isso, é possível, somente, “estipular teorias”.

“A primeira delas é o ambiente aberto em que elas estão expostas. Sabemos que, infelizmente, as pessoas que vivem nas ruas não estão confinadas, em locais fechados. Isso pode ajudar, pois estão em ambientes de constante ventilação”, diz.

Curi tem experiência em atendimento com pessoas nas ruas e, segundo ele, muitos acabam não dando importância para os sintomas que apresentam – o que pode contribuir para a falta de diagnósticos.

“Muitos pensam que a tosse é decorrência dos entorpecentes usados e não associam com o Covid-19, por exemplo. Eles também têm medo de falar algo e de serem levados para abrigos, mesmo sem desejarem”, diz.

Testagem em massa

O real cenário de contaminação de pessoas em situação de rua poderia ser traçado caso a PBH realizasse testagem em massa nesta parcela da população. É o que defende o infectologista ouvido pela reportagem.

“Se isso acontecesse teríamos acesso a dados mais fidedignos. Os que temos são imprecisos para confirmar algo, já que temos pacientes assintomáticos. Faltam testes”, sinaliza.

Curi também destaca que a população de rua não conseguem manter a higienização regularmente, o que acaba contribuindo para a contaminação.

‘Invisibilidade’

O fato da PBH não ter um recorte da população em situação de rua contaminada reafirma a invisibilidade destas pessoas, conforme diz a irmã Maria Cristina Bove. “A invisibilidade chega até nisto. Nos bairros você sabe quantos infectados têm, mas as pessoas que vivem nas ruas, não. É preocupante”.

A religiosa cobra mais atenção do poder público para estas pessoas e desabafa. “Ninguém dá voz para esta população. Ninguém está na rua por que quer. Ninguém escolhe morar na rua por opção. É uma consequência. O resultado de um processo de desigualdade que condena as pessoas”, conclui.

Nota da PBH na íntegra:

“Em abril, a PBH criou, na primeira semana de abril, o serviço temporário de atenção e cuidados para homens e mulheres em situação de rua que apresentem sintomas de gripe e que precisem permanecer em quarentena.

O serviço está funcionando no Sesc Venda Nova. Nas abordagens feitas pelos serviços de atendimento a população em situação de rua (Serviço Especializado de Abordagem Social, Consultório de Rua e BH de Mãos Dadas, abrigos e albergues), as pessoas em situação de rua e outras vulnerabilidades sociais que apresentem sintomas da Covid-19 são encaminhadas imediatamente à Unidade Básica de Saúde ou à Unidade de Pronto Atendimento mais próxima do local.

A equipe de saúde faz o primeiro atendimento e, caso seja necessário o isolamento social domiciliar, encaminha o paciente, via transporte em saúde, para o acolhimento provisório e emergencial na Unidade do Sesc.

102 pessoas foram acolhidas até o momento (06/04 a 01/06) e 17 estão em acolhimento nesta data”.

**

“A Secretaria de Saúde informa que as confirmações de casos de Coronavírus são feitas por meio dos Boletins Epidemiológicos da Secretaria Municipal de Saúde. Não há um recorte específico sobre sobre pessoas em situação de rua nesse sentido. Atualmente, são 4,6 mil pessoas em situação de rua na cidade”.





bhaz.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Post Ads

RESPONSIVE ADS HERE

Páginas