PM afasta policiais envolvidos na prisão do luzilandense que morreu com suspeita de espancamento - BLOG DO ILDER COSTA

sábado, 9 de maio de 2020

PM afasta policiais envolvidos na prisão do luzilandense que morreu com suspeita de espancamento

Instituto Médico Legal de Parnaíba — Foto: Kairo Amaral/TV Clube

A Polícia Militar do Piauí (PM-PI) afastou os policiais militares envolvidos na prisão de um homem de 43 anos que morreu, nessa sexta-feira (8), com suspeita de tortura no município de Luzilândia, a 250 km de Teresina. De acordo com a corporação, o homem foi preso depois de desobedecer a uma ordem de parada em uma barreira sanitária para Covid-19, na fronteira com o Maranhão.
De acordo com a tenente-coronel Elza Rodrigues, diretora de Comunicação Social da PM-PI, o Comando Geral determinou abertura de Inquérito Policial Militar através da Corregedoria.
"Os policiais foram apresentados no Batalhão de Piripiri e foi determinado que o presidente do inquérito policial militar junte perícia e exames realizados pelo Instituto Médico Legal (IML) ao documento", informou a tenente-coronel.

A morte

Segundo a polícia, o homem recebeu ordem de parada na barreira sanitária e desobedeceu. A PM afirmou que ele ainda teria ameaçado o policial, dizendo portar uma arma branca. Em seguida, o homem fugiu e o policial solicitou reforço.
Com a chegada do reforço, os policiais saíram em diligências e conseguiram localizar o homem. “Ele reagiu à prisão, mas foi preso e levado para a delegacia. Lá, ele foi recolhido à cela, por ordem da autoridade judiciária”, disse a tenente-coronel Elza Rodrigues.
Momentos depois o homem passou mal e foi levado para o hospital, onde morreu.
Versão da família
A família, no entanto, conta outra versão. Segundo ela, Raimundo foi perseguido, alvejado por tiros, mas não foi atingido. Ele se dirigiu à sua residência, onde ao resistir à abordagem e mostrar uma faca aos policiais, foi agredido com paus e levado a delegacia. A família afirma que há testemunha do ocorrido e há sangue na residência, que comprova as agressões.  Um membro da família, que presenciou toda ação, conta que cinco policiais estavam presentes na abordagem. A família vai processar os agressores.

 

Investigação


O caso é investigado pela Polícia Civil. Segundo o delegado Renato Pinheiro, que preside o inquérito, foi adotado o Protocolo de Istambul, aplicado em investigações de casos suspeitos de tortura ou outros crimes cruéis.
No entanto, o delegado afirmou que as investigações ainda estão no início e que não há detalhes sobre a causa da morte e sobre a possível autoria. O laudo cadavérico deve ser realizado pelo Instituto Médico Legal de Parnaíba.

Leia a nota da PM na íntegra:
A PMPI diante dos acontecimentos da ocorrência policial na cidade de Luzilândia na tarde do dia 07/05/2020, presta as seguintes informações:
  1. A ocorrência teve início a partir de uma ordem de parada, não obedecida, em uma barreira sanitária.
  2. O indivíduo ainda teria ameaçado o policial militar que estava na barreira, fazendo menção de ter uma arma branca.
  3. O indivíduo fugiu, ocasião em que foi solicitado reforço.
  4. Com a chegada do reforço, os policiais saíram em diligências.
  5. Ao ser localizado, o indivíduo teria reagido, sendo contido e levado preso a delegacia.
  6. Ao chegar na delegacia o mesmo foi recolhido a cela, por ordem da autoridade judiciária.
  7. No final da tarde o indivíduo passou mal, sendo encaminhado ao hospital, onde veio a falecer no período da noite.
  8. Ao tomar conhecimento da ocorrência, o Comando Geral determinou abertura de Inquérito Policial Militar através da Corregedoria.
  9. Determinou ainda o afastamento dos policiais militares envolvidos na ocorrência, inclusive apresentando os mesmos no Batalhão de Piripiri.
  10. Determinou ainda, ao presidente do inquérito policial militar, que seja juntado a perícia e exames realizados pelo Instituto Médico Legal.



Com informações do G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Post Ads

RESPONSIVE ADS HERE

Páginas